Crise do Coronavírus – Já não é segredo para ninguém que estamos passando por uma das maiores crises econômicas e sanitárias, em todo o mundo nas últimas décadas.

Por este motivo, sabemos que o reflexo dessa crise não ficará apenas na área da saúde, esse problema se estende para outras áreas como social e econômica, nesse cenário além das pessoas físicas os MEI’s também sofrerão os efeitos dessa crise.

Como medida de combate ao vírus o isolamento social é uma regra. Então, muitos trabalhadores autônomos estão de quarentena em suas casas, evitando assim a propagação do vírus.

Inegavelmente, a redução drástica na circulação da população impacta diretamente na atividade econômica de muitos Microempreendedores, uma vez que mais 2 milhões dessa massa empreendedora se encontra em atividades afetadas pela crise, como podemos ver no gráfico abaixo:

Veja quais setores são mais afetadas pela crise do Coronavírus
Fonte : Sebrae

A pergunta que não quer calar: os MEIs sobreviverão a crise?

Bom, a situação exige a reinvenção no modo de fazer negócio, pois grande parte da população se encontra em home office agora. Sendo assim, algumas ferramentas serão necessárias:

1º Utilize as Mídias Sociais

Embora o cliente esteja em casa, é possível manter o seu negócio respirando enquanto essa crise vai passando. As mídias sociais são ótimas ferramentas para atingir o seu público alvo. Ainda mais sabendo que o seu cliente está com mais tempo ocioso, o que resulta mais tempo nestas plataformas.

As mídias sociais apresentam custo zero em sua utilização, a menos que o empreendedor resolva fazer anúncios pagos, que ainda assim custam relativamente baixo. Crie um perfil nas mídias sociais (instagram Business, Facebook Business e Linkedin). que tenham relação direta com a sua empresa e mantenha em dia suas publicações. Certamente, todos os seus concorrentes também estarão lá, então aproveite o tempo em casa para criar conteúdos que atraiam potenciais clientes a sua página e ofereça promoções para converter em vendas.

2º Sites de vendas online

Assim também, outra solução são as plataformas de venda online, grandes sites fornecem aos pequenos empreendedores a possibilidade de anunciar seus produtos, como por exemplo o site da Loja integrada. Que permite que o pequeno varejista monte seu e-commerce sem muitas dificuldades.

Se a sua empresa ainda não conta com ferramentas de venda online, esse é o momento de tomar essa atitude. Avalie qual das diferentes plataformas disponíveis no mercado mais se adéqua às suas necessidades.

3º Aplicativos de Delivery

Obviamente, os mais afetados com essa crise são os donos de estabelecimentos presenciais, como bares, restaurantes, foodtrucks entre outros. Neste caso, usar e abusar da tecnologia pode ser uma ótima estratégia. Unindo a praticidade dos aplicativos de delivery com presença digital nas redes sociais as chances de empresas do ramo alimentar continuarem são grandes.

No segmento, a adesão dos bares e restaurantes a esses aplicativos se tornou praticamente uma necessidade neste momento de crise provocada pelo coronavírus. Se você ainda tinha alguma resistência a esse modelo, essa é a hora de repensar esse conceito.

 

4º Calcule os custos e Planeje-se

Assim, é de suma importância que o Microempreendedor conheça os custos da sua empresa, focando assim a quantidade maior de recursos para os custos com despesas que mantém a empresa funcionando. Adequando posteriormente os demais custos conforme os valores chegam ao caixa da empresa.

  • Por exemplo, uma vez que seu funcionário não está se locomovendo ao trabalho, por estar em casa, não haverá custos com vale transporte tão pouco com alimentação.
  • Economizar energia elétrica e água no ambiente corporativo será um resultado involuntário.
  • Custos que antes se faziam necessários como, material de escritório, papeis, agora ficarão suspensos. A necessidade do momento é que tudo seja digital.
  • Veja serviços que tem assinatura mensal, porém não estão em uso e procure cancelar os mesmos.

5º Negocie e Renegocie com os fornecedores

inesperadamente, com a readequação da empresa, é provável que a queda do faturamento ocorra, sendo assim, o reflexo no pagamento dos fornecedores é certo, pois bem, tente renegociar eventuais dívidas e conseguir de seus fornecedores um prazo maior e mais flexível de pagamento.

No entanto, apesar de tanta cautela e cuidado para não falir, devemos lembrá-lo de manter suas contas no simples nacional em dia. Para quem não sabe, o simples nacional corresponde ao seguro social do trabalhador individual e garante não só seguro quanto a qualquer doença como também sua aposentadoria.

Saiba como estão suas contribuições no Meu INSS. Veja como se cadastrar aqui.

Se ainda restar dúvidas sobre como manter a saúde financeira de seu CNPJ e ainda pagar o simples nacional em dia, fale com a nossa equipe e planeje a sua aposentadoria.

Fale conosco



Deixe uma resposta